Amazônia vai ganhar 20 usinas hidrelétricas nos próximos oito anos

17/07/2014 16:47

Há projetos para oito dos nove estados da Amazônia. Algumas usinas influenciam até dez cidade

Canteiro de obras da usina hidrelétrica de Belo Monte, no Pará. Foto: Divulgação/Norte Energia

Canteiro de obras da usina hidrelétrica Belo Monte, no Pará. Foto: Divulgação/Norte Energia

MANAUS – Detentora de 85% do potencial hidrelétrico do Brasil, a Amazônia também concentra a maior parte dos projetos de expansão energética do País. Mas os empreendimentos hidrelétricos enfrentam dificuldades para prosperar na região devido ao impacto ambiental e socioeconômico que causam. Ainda assim, de acordo com o Plano Decenal de Expansão de Energia de 2022, 11 projetos hidrelétricos estão previstos para a Amazônia, entre 2018 e 2022. Outras oito usinas hidrelétricas têm implantação prevista entre 2013 a 2017 e já possuem licença prévia.

A usina com maior potencial hidrelétrico em construção na Amazônia é Belo Monte, com mais de 11 mil megawatts (MW). Há outros empreendimentos com potencial considerável, como São Luiz do Tapajós (6.133 MW), São Simão Alto (3.509 MW) e Jatobá (2.338 MW). Juntos, eles ultrapassam em alguns megawatts a potência prevista para Belo Monte.

O início do funcionamento de uma usina é determinado pelo consórcio vencedor do leilão de expansão da oferta de energia. Normalmente o prazo é afetado pelos tempo necessário para conclusão de processos de licenciamento ambiental. As solicitações frequentes de complementação de estudos e demora na emissão de parecer técnico conclusivo do órgão licenciador também colaboram para o ‘estouro’ do prazo inicial. Soma-se a este cenário a tendência à judicialização do processo, com diversos inquéritos e ações civis públicas movidos que dilatam ainda mais o prazo.

Usina hidrelétrica de Santo Antônio do Jari, no Amapá. Foto:Divulgação/ Jari Energia

Usina hidrelétrica Santo Antônio do Jari, no Amapá. Foto: Divulgação/Jari Energia

O Portal Amazônia listou 20 empreendimentos hidrelétricos previstos para a Amazônia. Alguns estão com obras adiantadas, como é o caso de Belo Monte. Confira:

UHE São Manoel
Local: entre Mato Grosso e Pará, no rio Teles Pires, entre os municípios Jacareacanga (PA), Paranaíta e Apiacás (MT)
Potência: 700 MW
Previsão de funcionamento: fevereiro de 2018

UHE São Luiz do Tapajós
Local: Pará, entre os municípios de Itaituba e Trairão, no rio Tapajós
Potência: 6.133 MW
Previsão de funcionamento: janeiro de 2019

UHE Teles Pires
Local: Entre Mato Grosso e Pará, no rio Teles Pires, entre os municípios Jacareacanga (PA) e Paranaíta (MT)
Potência: 1.820 MW
Previsão de funcionamento: início de 2015

UHE Belo Monte
Local: Pará, no rio Xingu
Potência: 11.233,1 MW
Previsão de funcionamento: fevereiro de 2016

UHE Jatobá
Local: Pará, no rio Tapajós, entre os municípios Itaituba e Jacareacanga
Potência: 2.338 MW
Previsão de funcionamento: janeiro de 2020

UHE Santo Antônio do Jari
Local: entre Amapá e Pará, no rio Jari
Potência: 373,4 MW
Previsão de funcionamento: outubro de 2014

UHE Marabá
Local: Tocantins, Maranhão e Pará, no rio Tocantins, entre os municípios Bom Jesus do Tocantins (PA), Brejo Grande do Araguaia (PA), Marabá (PA), Palestina do Pará (PA), São João do Araguaia (PA), Ananás (TO), Araguatins (TO), Esperantina (TO), São Sebastião do Tocantins (TO) e São Pedro da Água Branca (MA).
Potência: 2.160 MW
Previsão de funcionamento: fevereiro de 2022

UHE Água Limpa
Local: Mato Grosso, no rio Das Mortes, entre os municípios General Carneiro e Novo São Joaquim.
Potência: 380 MW
Previsão de funcionamento: janeiro de 2020

UHE Tabajara
Local: Rondônia, no rio Ji-paraná, no município Machadinho
Potência: 380 MW
Previsão de funcionamento: novembro de 2020

UHE Castanheira
Local: Mato Grosso, no rio Arinos, no município Juara
Potência: 192 MW
Previsão de funcionamento: abril de 2021

UHE Salto Augusto Baixo
Local: Entre Mato Grosso e Amazonas, no rio Juruena, entre os municípios Apiacás (MT), Cotriguaçu (MT), Nova Bandeirantes (MT) e Apuí (AM)
Potência: 1.461 MW
Previsão de funcionamento: janeiro de 2022

UHE São Simão Alto
Local: entre Mato Grosso e Amazonas, no rio Juruena, entre os municípios Apiacás (MT), Apuí (AM) e Cotriguaçu (MT)
Potência: 3.509 MW
Previsão de funcionamento: janeiro de 2022

UHE Torixoréu
Local: entre Mato Grosso e Goiás, no rio Araguaia, entre os municípios Baliza (GO), Mineiros (GO), Riberãozinho (MT), Doverlândia (GO), Ponte Branca (MT) e Torixoréu (MT)
Potência: 408 MW
Previsão de funcionamento: fevereiro de 2022

UHE Ferreira Gomes
Local: Amapá, no rio Araguari, no município Ferreira Gomes
Potência: 252 MW
Previsão de funcionamento: 2015

UHE Cachoeira Caldeirão
Local: Amapá, no rio Araguari, no município Ferreira Gomes e Porto Grande
Potência: 219 MW
Previsão de funcionamento: janeiro de 2017

UHE Castelhano
Local: entre Maranhão e Piauí, no rio Parnaíba, entre os municípios Parnarama (MA), São Francisco do Maranhão (MA), Amarante (PI) e Palmeirais (PI)
Potência: 64 MW
Previsão de funcionamento: 2015

UHE Colíder
Local: Mato Grosso, no rio Teles Pires, no município Nova Canaã do Norte
Potência: 300 MW
Previsão de funcionamento: dezembro de 2015

UHE Sinop
Local: Mato Grosso, no rio Teles Pires, entre os municípios Cláudia, Ipiranga do Norte, Itaúba, Sinop e Sorriso
Potência: 400 MW
Previsão de funcionamento: janeiro de 2018

UHE Toricoejo
Local: Mato Grosso, no rio das Mortes, entre os municípios Novo São Joaquim, General Carneiro e Barra do Garças
Potência: 76 MW
Previsão de funcionamento: 2016

UHE Bem Querer
Local: Roraima, no rio Branco, nas proximidades do município Caracaraí
Potência: 708 MW
Previsão de funcionamento: janeiro de 2016

Fonte: http://www.portalamazonia.com.br/editoria/meio-ambiente/amazonia-vai-ganhar-20-usinas-hidreletricas-nos-proximos-oito-anos/