O DESAFIO DA MINERAÇÃO

16/12/2014 12:06

De 02 a 05 de dezembro, no Centro Cultural de Brasília,  tive oportunidade de participar do seminário latino americano, cujo tema já é desafiador: IGLESIAS Y MINERIA – UNA OPCIÓN EN DEFENSA DE COMUNIDADES Y TERRITÓRIOS

Tal seminário aconteceu por convocação da CNBB e reuniu cerca de cem pessoas de 13 países. Representantes de congregações religiosas, igrejas católica e evangélica, organizações de direitos humanos, delegados pastorais, juntamente com representantes da CNBB. Reverenciamos os que já tombaram porque ousaram tentar defender a vida de suas comunidades, quando da chegada das empresas mineradoras, para extrair as riquezas de seus territórios.

“A mineração tornou-se um enorme desafio para as Igrejas e os cristãos em toda a América Latina, em vista dos impactos devastadores sobre as comunidades e a natureza e os conflitos que ela tem gerado, agravados pela omissão e conivência de empresas e autoridades. Em franca expansão, visa atender, mais do que a uma demanda sustentável por produtos metalúrgicos, à demanda insaciável dos mercados globalizados, em tempos de escassez e disputa pelas matérias-primas restantes no planeta. Por outro lado, rende dividendos aos Estados que os direciona, além dos ganhos de capital, a programas sociais compensatórios para a população mais pobre – um modelo de êxito até agora, dependente em muito das exportações, sobretudo para a China. Daí estamos sob um verdadeiro e paradoxal neo-extrativismo de traços neocolonialistas. Nosso passado, então sob a espada e a cruz, no que teve de pior – espoliação, sofrimento, morte e pesada carga histórica, está a nos revisitar? Desta feita, há de ser outra a postura dos seguidores de Jesus!” (Rubens Siqueira – CPT de Juazeiro).

Questionada em diversos momentos como ser Igreja e cristão, se não nos comprometemos com a realidade de milhares de irmãos e irmãs que estão sendo espoliado dos direitos mínimos de existência, como comunicar o Deus da Vida num contexto de tanta morte. Mas, como cristãos cremos que a Vida vence a Morte, por isso o seminário,  mais do que conteúdo, foi para trocar experiências, para organizar vários segmentos sociais e eclesiais em defesa dos pobres.

Encerramos o seminário com o “compromisso profético da solidariedade com os povos impactados ou ameaçados, na certeza de que os projetos de vida triunfarão sobre os projetos de morte. Por isso andarmos pelo mundo com fé e esperança viva, celebrando, cantando, sorrindo e lutando pela VIDA” (Carta Final do seminário).

Há em torno de 09 mil empresas de mineração no Brasil, sem contar os garimpos ilegais e clandestinos. Só para registrar: há mais de 90 pedidos de pesquisas e licenças de projetos de mineração nos territórios quilombolas do Vale do Ribeira.

A luta não é somente em relação às hidrelétricas no Vale do Ribeira. Temos que continuar nos organizando e nos preparar para novos enfrentamentos.                                                                                                                        

                                                                                      Irmã Maria Sueli Berlanga

                                                 MOAB

                                                Movimento dos Ameaçados por Barragem