Reivindicado há 50 anos, quilombo da Sacopã é reconhecido pelo governo federal

22/09/2014 08:06

Títulos de domínio do terreno na Lagoa serão entregues pela União a 28 moradores do local

Quilombo da Sacopã: documentação era reivindicada há 50 anos. Na foto, o músico José Luiz Pinto Júnior, uns dos descendentes - Domingos Peixoto / Agência O Globo

RIO — Na próxima terça-feira, o governo federal vai entregar a nove famílias da comunidade quilombola da Ladeira Sacopã, na Lagoa, títulos de reconhecimento de domínio sobre uma área de cerca de sete mil metros quadrados. A documentação era reivindicada há 50 anos pelos descendentes de Manoel Pinto, que se instalou ali, com a mulher e os filhos, na década de 20. A doação dos títulos é uma etapa que antecede a posse definitiva do terreno, onde hoje vivem 28 pessoas. A entrega será feita por representantes do Incra e do Ministério do Desenvolvimento Agrário.

Satisfeito com a decisão do governo federal, o músico José Luiz Pinto Júnior, de 72 anos, filho de Manoel, disse que, após a solenidade, haverá uma apresentação de jongo e será servida uma feijoada.

O antropólogo Fábio Reis Mota informou que, desde 1988, quando foi implementada uma lei que concede direitos especiais às comunidades remanescentes de quilombos, apenas duas foram reconhecidas no Estado do Rio:

— O processo de reconhecimento de um comunidade quilombola corresponde a um lento e gradual mecanismo de inserção social de um grupo historicamente excluído de espaços públicos. O acesso à terra e à moradia é um passo importante para uma melhoria do cenário carioca, composto pelas belezas descritas por poetas da bossa-nova de Ipanema e por marcas de tiros de fuzis em favelas.


Fonde: O Globo